CERIMONIAL | SAUDAÇÕES HONORIFICAS | Grande Loja Nacional Portuguesa


CERIMONIAL

SAUDAÇÕES HONORIFICAS

Maçonaria em Portugal

***
Grande Loja Nacional Portuguesa


Grande Loja Nacional Portuguesa

As cerimonias maçónicas devem ser praticadas com absoluto rigor ritualístico, com o devido respeito e de maneira uniforme qualquer que seja a ocasião, o local ou os Obreiros que as realizem.


Os Rituais constituem as raízes das tradições da Maço­naria que nos transmitiram as gerações passadas e, por isso, devem ser seguidos à risca pelas dignidades, luzes e Obrei­ros, incorporando-se sensivelmente no espírito de cada um.


A maior autoridade maçónica presente às reuniões deve ser última a entrar no Templo onde será recebido com as honras a que tem direito.


Em Loja, os visitantes tem entrada no momento determinado pelo Ritual, ficando por último as de maior autoridade.


O M.’. R.’. Grão-Mestre assume sempre  a presidência dos Trabalhos onde quer que haja uma reunião maçónica com a sua presença.


Nas Lojas, o M .’. R.’. Grão-Mestre poderá permitir que o malhete continue na mão do Venerável durante  todo  o trabalho ou em parte deste.


As honras prestadas às Autoridades Maçónicas e não Maçónicas na Muito Respeitável Grande Loja Nacional Portuguesa, obedecerão ao seguinte cerimonial:



a) M .’. R.’. Grão-Mestre, Presidente do G.'.C.'.M.'.M.'., M .’. R.’. Grão-Mestre ”Ad Vitam”, Past-Grão Mestres da G.’. L.’.N.’.P.’., Soberano Grande Comendador da Supr.'. Conc.'. do Grau 33 do Rito Escocês Antigo e Aceite de Portugal, 11 Saudações (11 Espadas e 11 Estrelas alternadas);



b) MM .’. RR .’. Adjuntos do Grão-Mestre, Sob. Gr.'. Insp.'. Gerais dos Graus Filosóficos (membros da administração do Supr.'. Conc.'. do Grau 33), 9 Saudações (9 Espadas e 9 Estrelas alternadas).



c)  Assistentes do Grão-Mestre, Grandes Oficiais e Grandes Primeiro e Segundo Vigilantes da G.’. L.’. N.’. P.’., 7 Saudações ( 7 Espadas e 7 Estrelas alternadas).



d)  Veneráveis Mestres e Vigilantes das Lojas, 5 Saudações (5 Espadas e 5 Estrelas alternadas).


e) Past-Veneráveis Mestres, 3 Saudações (3 Espadas e 3 Estrelas alternadas.


f) Na procissão ritualística, segundo a hierarquia tradicional, a Autoridade máxima entrará por ultimo e sairá primeiro e assim, sucessivamente, sendo ovacionado com bateria incessante até tomar assento no Oriente.


g) Presente o M .’. R.’. Grão-Mestre, o V.’. Mestre descerá os três degraus do Altar do Oriente e ai fará a entrega  do malhete.


h)  O M .’. R.’. Grão-Mestre presidirá se assim o desejar à reunião a que estiver presente.


i)   Em festas brancas as honras acima serão prestadas com o mesmo cerimonial, abolindo, entretanto, sinais ou posições à ordem, devendo todos estarem devidamente paramentados, apenas com os colares, sem aventais.


j) Nenhuma honra será prestada quando já estiver presente uma Autoridade de ordem hierarquicamente superior.  


1)  Todas as Autoridades mencionadas acima deverão ser convidadas para tomar assento no Oriente, sendo que o M .’. R.’. Grão-Mestre, Presidente do G.'.C.'.M.'.M.'., os M .’. RR.’. Adjuntos ou o Soberano Grande Comendador do Supr.'. Cons.'. do 33 grau irão sentar-se no Altar, ao lado do Presidente da Sessão.


m) Quando os MM .’. RR.’. Adjuntos e os Grandes Vigilantes acompanharem o M.’. R.’. Grão-Mestre, entrarão antes deste, estando os Obreiros de pé e à ordem e tomarão assento no Oriente.


n)  Acompanhando o M .’. R.’. Grão-Mestre, os Assistentes do Grão-Mestre e os Grandes Oficiais, serão recebidos pouco antes da entrada daquele, estando os Obreiros  de pé e a ordem.


o)  Os Assistentes do Grão-Mestre e os Grandes Oficiais têm a palavra dada pelo Venerável Mestre no momento oportuno, quando solicitada.


p) Quando um Assistente do Grão-Mestre ou um Grande Oficial comparecer em Loja com uma missão específica, deverão disso dar conhecimento ao Venerável e com ele acertar as medidas que devem ser tomadas para melhor cumprimento daquela; entretanto, em caso algum, passará a exercer a presidência dos trabalhos.


q)  O M .’. R.’. Grão-Mestre, os M .’. RR.’. Adjuntos, os Assistentes do Grão-Mestre, Grandes Oficiais e Grandes Vigilantes, quando individualmente visitarem uma Loja, tomarão assento à direita do Venerável da Loja.


r) Quando o comparecimento for simultâneo,  de duas ou três daquelas autoridades, serão estas levadas para o Oriente e tomarão assento ao lado do Venerável, ficando à sua direita a autoridade de maior precedência.


s) Os Grão-Mestres “Ad-Vitam”, os Grão-Mestres de Potências Maçónicas reconhecidas pela Muito Respeitável Grande Loja Nacional Portuguesa ou seus Assistentes ou Representantes devidamente credenciados, das referidas Potências devem ser recebidos nas reuniões maçónicas que se realizam na nossa G.’. L.’. ou nas Lojas, como se fossem autoridades detentoras de iguais cargos na Muito Respeitável Grande Loja Nacional Portuguesa.


t)  A Bandeira Nacional e o Estandarte da Loja e da Grande Loja devem permanecer no Templo, com excepção de circunstancias específicas.


u)  Em casos especiais, para a introdução da Bandeira Nacional na Loja e durante a sua retirada formará a escolta de honra composta de treze Obreiros, armados de espadas.


v)  Durante a entrada do Pavilhão Nacional em Loja e por ocasião de qualquer homenagem a ele prestada no interior do Templo, deverá ser cantado o Hino Nacional.



| NEWS | MYFRATERNITY | MAÇONARIA | MASONIC PRESS AGENCY |



|| www.myfraternity.org ||

Veja o canal informativo oficial em www.myfraternity.org | A Equipa,

As GRANDES CONSTITUIÇÕES DE 1786

Gilberto Lima da Silva, Presidente da COMAB esteve presente na CMSB, Brasil

Solstício 2009 – Grande Loja Nacional Portuguesa

Maçonaria Inglesa comemora os 300 anos com um Ato religioso na Catedral de Winchester

Músicos de JAZZ que foram maçons

Lázaro Cuesta é o primeiro Grão-Mestre negro da Grande Loja de Cuba em 150 anos

Princípios e Orientações do Supremo Conselho de Portugal ( textos em francês)