A Noção de Deus na Maçonaria

sábado, outubro 23, 2004

A NOÇÃO DE DEUS NA MAÇONARIA

A Noção de Deus

(ver em www.glnp.pt)

A convicção em Deus, o Grande Arquitecto do Universo, conforma, na Maçonaria o denominador comum mínimo da fé. A existência de uma maçonaria não operativa, fundada na Inglaterra em 1646 e na Escócia em 1634 com a origem nos usos dos construtores que edificaram as catedrais formulam como indispensável e imperativo afirmarem a fé em Deus. Uma rápida evolução histórica desde o começo do século XVIII, é descrita num livro sobre as obrigações de um Franco Maçom das Constituições de Anderson intitulado "relativo a Deus e à religião".
Na versão de 1723, o texto fundamental é o seguinte: "um maçom está obrigado pela sua honra obedecer à lei moral, e, se ele entender bem a arte, nunca será um ateu estúpido nem um libertino irreligioso". Este texto fundador mais parece ser uma inspiração deísta, até mesmo quando parte da histórica das constituições é justamente teísta. Impõe obrigações morais e distingue a religião, de uma forma clara, das confissões. A evolução actual desta convicção no Grande Arquitecto do Universo, para a glória de quem trabalhe nos nossos preâmbulos, coloca explicitamente, às vezes, a crença na vontade revelada por Deus, de quem o texto não faz nenhuma menção mas apenas está no espírito do mesmo.
A evolução sociológica, particularmente na Inglaterra conduz primeiro - entre 1720 e 1732 - para a recepção dos judeus na Maçonaria. O próprio Newton - de quem se conhece a influência sobre o editor das constituições, o pastor Désaguliers - era unitário (não acreditava nem na Trindade nem na divindade de Cristo) mas considerava-se Cristão. Deste modo se explica a versão de 1783, fundamento de um verdadeiro universalismo, conforme a frase "a religião com a qual todos os homens estão de acordo", acrescentando, "porque eles concordam com os três artigos grandes de Noé, (o que é) bastante para preservar a fundação do Loja ... "Entre o sete mandamentos noaquitas, os três primeiros são particularmente essenciais:: proibição de render culto aos ídolos, respeito absoluto pelo nome divino, proibição de derramar sangue. Na realidade a exegese religiosa da época considerava que o Cristianismo estava de acordo com a religião tradicional conhecida desde os primeiros tempos e coroada por Cristo: "a verdadeira, primitiva, católica, reconhecida como tal em todos os tempos e idades e confirmada por N.S. Jesus Cristo..." (Longlivers, 1722, Londres). Então, a Franco Maçonaria é compatível com todas as religiões e não pratica nenhum anti-clericalismo. Muito menos é considerado um substituto, pois ela não impõe nenhuma doutrina teológica e rejeita todo o debate religioso nas Lojas; não administra nenhum sacramento; não pretende contribuir para a salvação, mas apenas ajudar os seus membros a realizar-se no respeito pela fé nos actos que participam. A construção maçónica material substitui a ideia do trabalho da cantaria alegórica. Se tratarmos de promover os valores morais e espirituais que conduzem ao aperfeiçoamento individual e social, através do ensino efectuado feito debaixo do véu da alegoria por meio de símbolos que podem ser observados certamente em diversas religiões (triângulo, olho, luzes, ritmos, fórmulas simbólicas ritualistas). As cerimónias práticas não copiam de maneira nenhuma qualquer culto, apenas têm um encadeamento de símbolos e representações orais a uma união favorável - na fidelidade e nas obrigações que o maçom contraiu livremente - para o aperfeiçoamento moral e espiritual que empreendeu e que deve compartilhar com os seus irmãos.Deste modo se cria este "Centro de União", como meio de realização de uma amizade sincera entre pessoas que não poderiam, de outro modo, permanecer estranhos para sempre “(Constituições 1723). Esta universalidade explica, então, a difusão desta fraternidade para que continue o aperfeiçoamento moral e espiritual da humanidade, a fim de pôr em execução a obra de um ideal de paz, de tolerância e de fraternidade entre todos os homens. Finalmente, cabe dizer que a crença no Grande Arquitecto do Universo, permanecerá, entre todas as Lojas independentes do mundo, como o critério essencial de regularidade e de fidelidade aos "Antigos Deveres ."


| NEWS | MYFRATERNITY | MAÇONARIA | MASONIC PRESS AGENCY | || www.myfraternity.org ||

Comentários

Veja o canal informativo oficial em www.myfraternity.org | A Equipa,

GOL y GLSE: - Hermanos y Hermanas de Rito Escocés Antiguo y Aceptado y Rito Francés

Grande Loja Feminina de Portugal | Mensagem da Grã-Mestra Rogélia Neves

Vídeo da Grande Loja Nacional Portuguesa

GOL acusa de se aproveitarem «da desavença» | «Grande Oriente de França no meio da discórdia»

REVOLTA: Maçonaria francesa cria «divisões» na maçonaria em Portugal. Uma repetida intromissão?

Ameaça de cisão histórica na maçonaria | Grande Oriente Lusitano